10 de janeiro de 2023

Conheça a história dos criminosos mais famosos do mundo #13 - Mata Hari

Mata Hari é mais um desses nomes que todo mundo conhece mas ninguém sabe ao certo quem foi ou o que ela fez, bom, isso vai mudar agora. Chegou a hora de você ler a história de mais uma criminosa que entrou no imaginário popular e é referenciada até hoje.


Margaretha Geertruida Zelle nasceu em 7 de agosto de 1876 em Leeuwarden, Holanda. Ela era a mais velha de quatro crianças, filha de Adam Zelle (1840–1910) e sua primeira esposa Antje van der Meulen (1842–1891). Também é bom mencionar que apesar das afirmações de que Mata Hari era parcialmente judia, malaia ou javanesa, os estudiosos concluem que ela não tinha ascendência judaica ou asiática e que ambos os pais eram apenas holandeses.
Seu pai era o dono de uma simples chapelaria, mas fez investimentos na indústria do petróleo e tornou-se rico o suficiente para dar a Margaretha e seus irmãos uma boa infância com uma boa educação, mas nem tudo dura pra sempre.

Logo após o pai de Margaretha ir a falência em 1889, seus pais se divorciaram, e sua mãe viria a falecer em 1891. Seu pai se casou novamente em Amsterdã em 9 de fevereiro de 1893 com Susanna Catharina ten Hoove (1844-1913). O novo casamento desfez a família e Margaretha foi enviada para morar com seu padrinho, Sr. Visser, em Sneek. Posteriormente, ela estudou para ser professora de jardim de infância em Leiden, mas quando o diretor começou a flertar com ela, ela foi afastada da instituição por seu padrinho. Alguns meses depois, ela fugiu para a casa de seu tio em Haia.
Aos 18 anos, Margaretha respondeu a um anúncio em um jornal holandês colocado pelo capitão do Exército Colonial Holandês Rudolf MacLeod (1856-1928), que morava no que era então as Índias Orientais Holandesas (agora Indonésia) e procurava uma esposa. Fácil assim Margaretha casou-se com MacLeod em Amsterdã em 11 de julho de 1895. O casamento permitiu que Margaretha se mudasse para a classe alta holandesa e colocou suas finanças em outro nível. Ela rapidamente se mudou com o marido para Malang, no lado leste da ilha de Java, viajando no SS Prinses Amalia em maio de 1897. Eles tiveram dois filhos juntos, Norman-John MacLeod (1897–1899) e Louise Jeanne MacLeod (1898–1919). Mas novamente, nada dura para sempre.
O casamento foi uma decepção geral. Rudolf era um alcoólatra e abusou fisicamente de Margaretha, a quem ele culpou por sua falta de promoções no trabalho. Ele também mantinha abertamente uma concubina, mas isso era uma prática socialmente aceita nas Índias Orientais Holandesas na época. Margaretha o abandonou temporariamente, indo morar com Van Rheedes, outro oficial holandês. Ela estudou intensamente a cultura indonésia por vários meses e se juntou a uma companhia de dança local durante esse período. Em correspondência com seus parentes na Holanda em 1897, ela revelou seu nome artístico de Mata Hari, a palavra para "sol" na língua malaia local, literalmente, "olho do dia".

Seu marido ordenou que ela voltasse para casa, e ela obedeceu ele, mas seu comportamento abusivo não mudou. Ela procurou escapar de suas circunstâncias estudando ainda mais a cultura local. Em 1899, seus filhos adoeceram violentamente devido a complicações relacionadas ao tratamento da sífilis contraída de seus pais, embora a família alegasse que eles foram na verdade envenenados por um servo ou rival. Jeanne sobreviveu, mas Norman morreu.
Depois de voltar para a Holanda, o casal se separou oficialmente em 30 de agosto de 1902. O divórcio se tornou definitivo em 1906, e Margaretha recebeu a custódia de Jeanne. Rudolf foi legalmente obrigado a pagar pensão alimentícia, mas ele nunca fez isso. Certa vez, quando Jeanne visitou Rudolf, ele decidiu não devolvê-la à mãe. Margaretha não tinha recursos para combater a situação, ela então aceitou o que havia acontecido, acreditando que, embora Rudolf tenha sido um marido abusivo, ele sempre foi um bom pai. Jeanne morreu mais tarde aos 21 anos, possivelmente de complicações relacionadas à sífilis assim como seu irmão.
Sem crianças, sem marido e sem família, Mata Hari mudou-se para Paris, onde atuou como amazona (mulher que anda a cavalo) de circo usando o nome Lady MacLeod e ainda fazia bicos de modelo. Mesmo assim foi sua vida como dançarina exótica que a levou a fama.
Descrita como "promíscua e paqueradora", Mata Hari cativou seu público rapidamente e foi um sucesso da noite para o dia desde a estreia de seu ato no Musée Guimet em 13 de março de 1905. Ela ainda se tornou a amante de longa data do milionário empresário de Lyon, Émile Étienne Guimet, que fundou o Musée. Ela fingia ser uma princesa javanesa de nascimento sacerdotal hindu, fingindo ter sido imersa na arte da dança sagrada indiana desde a infância. Ela foi fotografada várias vezes durante esse período, nua ou quase nua. Algumas dessas fotos foram obtidas por seu ex-marido e fortaleceram seu caso de manter a custódia de sua filha.
Mata trouxe um estilo provocativo para o palco que não era muito comum na época. O segmento mais celebrado de seu ato era quando ela se despia até que usasse apenas um peitoral de joias e alguns ornamentos em seus braços e cabeça. Ela porém nunca mostrou seus seios, pois sempre teve vergonha por ter seios pequenos.
Um jornalista francês escreveu em um jornal de Paris que Mata Hari era "tão felina, extremamente feminina, majestosamente trágica, as mil curvas e movimentos de seu corpo tremendo em mil ritmos". Outro disse que ela era "esbelta e alta com a graça flexível de um animal selvagem, e com cabelos preto-azulados" e que seu rosto "faz uma estranha impressão estrangeira".
Mas por volta de 1910 ela já não era mais uma novidade. Os críticos começaram a opinar que o sucesso e as características deslumbrantes da popular Mata Hari se deviam ao exibicionismo barato e à falta de mérito artístico. Embora ela continuasse a agendar importantes eventos sociais em toda a Europa, ela foi desprezada por instituições culturais sérias como uma dançarina que não sabia dançar. Isso junto ao fato dela estar envelhecendo e engordando fez com que sua carreira entrasse em declínio após 1912. Em 13 de março de 1915, ela se apresentou no que seria o último show de sua carreira.
Embora sua carreira de dançarina estivesse se desfazendo, sua carreira como prostituta estava a todo vapor. Ela teve relacionamentos com oficiais militares de alto escalão, políticos e outros em posições influentes em muitos países. Seus relacionamentos e ligações com homens poderosos frequentemente a levavam além das fronteiras internacionais, o que fez muitos verem ela como uma mulher perigosa para o mundo político internacional.

Durante a Primeira Guerra Mundial, a Holanda permaneceu neutra, e como Mata era holandesa ela foi capaz de cruzar livremente as fronteiras nacionais. Para evitar os campos de batalha, ela viajou entre a França e a Holanda via Espanha e Grã-Bretanha, e seus movimentos inevitavelmente atraíram atenção. Durante a guerra, Mata esteve envolvida no que foi descrito como um relacionamento romântico-sexual muito intenso com o capitão Vadim Maslov, um piloto russo de 23 anos que servia com os franceses, a quem ela chamava de "amor de sua vida". Maslov fazia parte da força expedicionária russa de 50.000 homens enviados à Frente Ocidental na primavera de 1916. Mas infelizmente, mais uma vez, nada dura para sempre.
No verão de 1916, Maslov foi abatido e gravemente ferido durante um duelo com os alemães, perdendo a visão no olho esquerdo, o que levou Mata a pedir permissão para visitar seu amante ferido no hospital onde ele estava hospedado. Como cidadã de um país neutro, Mata normalmente não seria permitida a visita, já que ele estava no fronte da guerra. Ela então foi recebida por agentes do Deuxième Bureau (um dos serviços de informação militares franceses) que lhe disseram que ela teria permissão para ver Maslov se concordasse em espionar para a França.
Antes da guerra, ela já havia atuado como Mata Hari várias vezes diante do príncipe herdeiro Guilherme, filho mais velho do Kaiser Guilherme II e nominalmente um general alemão sênior na Frente Ocidental. O Deuxième Bureau acreditava que ela poderia obter informações seduzindo o príncipe herdeiro por segredos militares. Na verdade, o envolvimento do príncipe era mínimo e foi a propaganda do governo alemão que promoveu a imagem do príncipe herdeiro como um grande guerreiro, o digno sucessor dos monarcas Hohenzollern que tornaram a Prússia forte e poderosa. Eles queriam evitar divulgar que o homem esperado para ser o próximo Kaiser era um playboy conhecido por ser mulherengo, festejar e se entregar ao álcool, que passava a outra parte de seu tempo se associando a políticos de extrema direita, com a intenção de ter seu pai declarado insano e deposto.
Sem saber que o príncipe herdeiro não tinha muito a ver com a gestão militar, o Deuxième Bureau ofereceu a Zelle um milhão de francos se ela pudesse seduzi-lo e fornecer à França boas informações sobre os planos alemães. O contato de Mata com o Deuxième Bureau foi o capitão Georges Ladoux, que mais tarde emergiria como um de seus principais acusadores.
Em novembro de 1916, ela estava viajando de navio a vapor da Espanha quando seu navio fez escala no porto britânico de Falmouth. Lá, ela foi presa e levada para Londres, onde foi interrogada longamente por Sir Basil Thomson, comissário assistente da New Scotland Yard encarregado de contra-espionagem. Ele deu conta disso em seu livro de 1922 Queer People, dizendo que ela acabou admitindo trabalhar para o Deuxième Bureau. Inicialmente detida na delegacia de Cannon Street, ela foi então liberada e ficou no Savoy Hotel. Uma transcrição completa da entrevista está nos Arquivos Nacionais da Grã-Bretanha e foi transmitida, com Mata Hari interpretada por Eleanor Bron, na estação independente LBC em 1980.
No final de 1916, Zelle viajou para Madri, onde se encontrou com o militar alemão Major Arnold Kalle e perguntou se ele poderia marcar um encontro com o príncipe herdeiro. Durante este período, Mata aparentemente se ofereceu para compartilhar segredos franceses com a Alemanha em troca de dinheiro, mas ainda não está claro se isso foi por causa da ganância ou uma tentativa de marcar um encontro com o príncipe herdeiro Guilherme.
Em janeiro de 1917, o major Kalle transmitiu mensagens de rádio para Berlim descrevendo as atividades de um espião alemão de codinome H-21, cuja biografia era tão parecida com a de Mata que era óbvio que o agente H-21 só poderia ser Mata Hari. O Deuxième Bureau interceptou as mensagens e, a partir das informações que continham, identificou o H-21 como sendo realmente Mata Hari. As mensagens estavam em um código que a inteligência alemã sabia que já havia sido quebrado pelos franceses, sugerindo que as mensagens foram planejadas para que Mata fosse presa pelos franceses. Para piorar, o general Walter Nicolai, o chefe do IC (oficial de inteligência) do exército alemão, ficou muito irritado porque Mata Hari não lhe forneceu nenhuma inteligência de verdade, em vez disso, vendeu aos alemães meras fofocas de Paris sobre a vida sexual de políticos e generais franceses, ele então decidiu encerrar seu emprego expondo-a como espiã alemã aos franceses.

Mata não sabia que iria ser traída e continuou seu "trabalho". Em dezembro de 1916, o Segundo Bureau do Ministério da Guerra francês permitiu que Mata Hari obtivesse os nomes de seis agentes belgas. Cinco eram suspeitos de enviar material falso e trabalhar para os alemães, enquanto o sexto era suspeito de ser um agente duplo para a Alemanha e a França. Duas semanas depois que Mata Hari deixou Paris para uma viagem a Madri, o agente duplo foi executado pelos alemães, enquanto os outros cinco continuaram suas operações. Este desenvolvimento serviu como prova para o Segundo Bureau de que os nomes dos seis espiões foram comunicados por Mata Hari aos alemães, ou seja, que ela realmente era uma espiã e traidora.
Sua vida como espiã havia acabado igual sua vida de dançarina. Em 13 de fevereiro de 1917, Mata Hari foi presa em seu quarto no Hotel Elysée Palace, na Champs Elysées, em Paris. Ela foi julgada em 24 de julho, acusada de espionar para a Alemanha e, consequentemente, causar a morte de pelo menos 50.000 soldados. Mas embora a inteligência francesa e a britânica suspeitassem que ela estivesse espionando para a Alemanha, nenhum dos dois conseguiu produzir provas definitivas contra ela.

Em 1917, a França havia sido gravemente abalada pelos Grandes Motins do Exército Francês na primavera de 1917, após o fracasso da Ofensiva de Nivelle junto com uma enorme onda de ataques. E para piorar na época muitos acreditavam que a França poderia simplesmente entrar em colapso como resultado de exaustão da guerra. Em julho de 1917, um novo governo sob Georges Clemenceau assumiu o poder, totalmente comprometido em vencer a guerra. Nesse contexto, ter um espião alemão a quem pudesse ser atribuído toda a culpa de tudo que deu errado com a guerra até então era muito conveniente para o governo francês, tornando Mata Hari o bode expiatório perfeito, o que explicaria por que o caso contra ela recebeu máxima publicidade na França e levou a sua importância na guerra a ser muito exagerada.
O historiador canadense Wesley Wark afirmou em uma entrevista de 2014 que Mata Hari nunca foi uma espiã importante e apenas foi um bode expiatório para fracassos militares franceses com os quais ela não tinha nada a ver, afirmando: "Eles precisavam de um bode expiatório e ela era um alvo notável para ser um bode expiatório." Da mesma forma, a historiadora britânica Julie Wheelwright afirmou: "Ela realmente não transmitiu nada que você não pudesse encontrar nos jornais locais na Espanha."
Mata, desesperada, escreveu várias cartas ao embaixador holandês em Paris, alegando sua inocência. "Minhas conexões internacionais se devem ao meu trabalho como dançarina, nada mais... Porque eu realmente não espionava, é terrível que eu não possa me defender."
O momento mais doloroso para Mata Hari durante o julgamento ocorreu quando seu amante Maslov, agora um homem profundamente amargurado como resultado de perder os olhos em combate, recusou-se a testemunhar por ela, dizendo que não se importava se ela fosse condenada ou não. Foi relatado que Mata desmaiou quando soube que seu ex-amor a havia abandonado.
O governo queria fazer de tudo para Mata ser condenada, seu advogado de defesa, o veterano advogado internacional Édouard Clunet, foi negada permissão para interrogar as testemunhas de acusação ou para interrogar diretamente as suas próprias testemunhas. O Capitão Pierre Bouchardon, seu acusador, usou o fato de Zelle ser uma mulher como prova de sua culpa, dizendo: "Sem escrúpulos, acostumada a fazer uso de homens, ela é o tipo de mulher que nasceu para ser uma espiã". Ela foi retratada como uma femme fatale, uma mulher perigosa e sedutora que usa sua sexualidade para manipular os homens sem esforço, mas outros a viam de forma diferente, nas palavras dos historiadores americanos Norman Polmer e Thomas Allen ela era "ingênua e facilmente enganada".
Sem chances alguma de ganhar o caso, Mata foi executada por um pelotão de fuzilamento de 12 soldados franceses pouco antes do amanhecer em 15 de outubro de 1917. Ela tinha 41 anos na época. De acordo com um relato de testemunha ocular do repórter britânico Henry Wales, ela não estava amarrada e recusou uma venda nos olhos. Ela desafiadoramente mandou um beijo para o pelotão de fuzilamento antes deles atirarem nela.
O corpo de Mata Hari não foi reivindicado por nenhum membro da família e, portanto, foi usado para estudo médico. Sua cabeça foi embalsamada e mantida no Museu de Anatomia de Paris.
Em 2000, arquivistas descobriram que ele havia desaparecido, possivelmente já em 1954, de acordo com o curador Roger Saban, durante a realocação do museu. Sua cabeça e seu corpo continuam desparecidos até hoje, o que ajudou a aumentar sua lenda.
O julgamento selado de Mata Hari e outros documentos relacionados, um total de 1.275 páginas, foram desclassificados pelo Exército Francês em 2017, cem anos após sua execução.

Não deixe de visitar nosso facebook em RWF agora mesmo e ler mais matérias interessantes e históricas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário