segunda-feira, 11 de abril de 2022

Conheça a história dos criminosos mais famosos do mundo #10 - John Wayne Gacy

Sim, chegou a hora de você ler sobre mais um dos criminosos que aterrorizou os E.U.A com seus assassinatos, estamos falando de John Wayne Gacy, também conhecido como o Palhaço Assassino, responsável por transformar esses trapalhões de um símbolo de alegria infantil para um de medo e terror.


Segundo várias fontes John Wayne Gacy nasceu em Chicago em 17 de março de 1942, ele era a segunda criança e único filho de John Stanley Gacy (20 de junho de 1900 - 25 de dezembro de 1969) e Marion Elaine Robison (4 de maio de 1908 - 6 de dezembro de 1989). Seu pai era um simples mecânico de reparos de automóveis, mas ele também era um veterano da Primeira Guerra Mundial, e sua mãe era dona de casa.
Ainda de acordo com fontes Gacy se dava bem com as mulheres de sua família, mas nunca se entendeu com seu pai, o que pode ter motivado sua preferência por homens como vítimas no futuro. Seu pai era na verdade um alcoólatra que adorava bater em sua família, tanto que, segundo o próprio assassino, uma das suas primeiras memórias foi de ser espancado com um cinto de couro por desarranjar acidentalmente componentes do motor do carro que seu pai havia montado. Sua mãe tentou proteger o filho dos abusos do pai, o que só resultou em acusações de que ele era um "maricas", um "filho da mamãe" e que ele "provavelmente cresceria gay". Apesar de vários maus tratos, Gacy ainda amava seu pai, mas sentia que "nunca foi bom o suficiente" aos olhos dele.
Em 1949, o pai de Gacy foi informado de que seu filho e outro menino haviam sido pegos "acariciando sexualmente" uma menina. Seu pai o chicoteou com uma lâmina de barbear como punição. No mesmo ano, um amigo da família e empreiteiro começou a estuprar Gacy, que nunca contou a seu pai sobre isso, com medo de que seu pai o culpasse pelos abusos.
Gacy era uma criança com excesso de peso e pouco atlética. Por causa de um problema cardíaco ele foi orientado a evitar todos os tipos de esportes na escola, o que não ajudou com sua popularidade. Para piorar ainda mais durante a quarta série Gacy começou a ter apagões. Ele foi hospitalizado na ocasião por causa desses episódios e também em 1957, por causa de um apêndice rompido. Mais tarde, Gacy estimou que entre as idades de 14 e 18 anos, ele passou quase um ano inteiro de sua vida no hospital e atribuiu o declínio de suas notas ao fato dele quase não ir pra escola. Seu pai suspeitou que esses episódios eram falsos, um esforço da criança para ganhar simpatia e atenção e acusou abertamente seu filho de fingir que estava doente enquanto Gacy estava deitado em uma cama de hospital. Embora sua mãe, irmãs e poucos amigos próximos nunca tenham duvidado dele, a condição médica de Gacy nunca foi diagnosticada de forma oficial por nenhum médico.
Seu pai ainda abusava Gacy na frente de seus amigos por nenhum motivo aparente, Gacy no entanto nunca machucou sua família, muito menos seu pai.


Aos 18 anos de idade Gacy se envolveu com politica, trabalhando como capitão assistente de distrito para um candidato do Partido Democrata em seu bairro. Isso levou a mais críticas de seu pai, que acusou seu filho de ser um "bode expiatório". Mais tarde, Gacy disse que sua decisão de se envolver na política era, na verdade, buscar a aceitação que ele nunca recebeu de seu pai em outras pessoas.
No mesmo ano seu pai comprou um carro para ele, algo estranho já que ele não era do tipo que dava presentes, só que ele manteve o título do veículo em seu próprio nome até que Gacy terminasse de pagar por ele. Esses pagamentos mensais demoraram vários anos para serem concluídos. Seu pai confiscava as chaves do veículo se Gacy não fizesse o que ele mandava. Em 1962, Gacy comprou um conjunto extra de chaves depois que seu pai confiscou o conjunto original. Em resposta, seu pai retirou a tampa do distribuidor do carro, guardando o componente por três dias. Gacy lembrou que se sentiu "totalmente doente" e "esgotado" após este incidente.
Apenas algumas horas depois que seu pai recolocou a tampa do distribuidor, Gacy saiu de casa e dirigiu para Las Vegas, Nevada. Ele encontrou trabalho no serviço de ambulância antes de ser transferido para trabalhar como atendente no necrotério de Palm. Como assistente do necrotério, Gacy dormia em uma cama atrás da sala de embalsamamento. Ele trabalhou lá por três meses, observando agentes funerários embalsamando cadáveres. Mais tarde, ele confessou que uma noite, enquanto estava sozinho, subiu no caixão de um adolescente falecido, abraçando e acariciando o corpo antes de experimentar uma sensação de choque. Isso levou Gacy a ligar para sua mãe no dia seguinte e perguntar se seu pai permitiria que ele voltasse para casa. Seu pai concordou, e no mesmo dia ele dirigiu de volta para Chicago, onde se formou em 1963 e começou a trabalhar em uma loja de sapatos, onde foi promovido. Em março daquele ano, ele ficou noivo de Marlynn Myers, uma colega de trabalho.
Só que naquele mesmo ano ele teve sua segunda experiência homossexual. De acordo com Gacy, isso aconteceu depois que um de seus colegas no Springfield Jaycees o encheu de bebidas e o convidou para passar a noite em seu sofá.
Gacy começou a trabalhar para o seu sogro em um restaurante KFC, era um ótimo pagamento. Além disso ele abriu um "clube" em seu porão, onde seus funcionários podiam beber álcool e jogar sinuca. Embora Gacy empregasse adolescentes de ambos os sexos em seus restaurantes, ele se socializava apenas com os rapazes. Gacy deu álcool a muitos deles antes de fazer avanços sexuais, se o rejeitassem, ele alegava que seus avanços eram simplesmente piadas ou um teste de moral.
Gayce costumava trabalhar de 12 a 14 horas por dia, e insistia em ser chamado de "Coronel" por seus funcionários.

A esposa de Gacy deu à luz um filho em fevereiro de 1966 e uma filha em março de 1967. O futuro assassino serial mais tarde descreveu esse período de sua vida como "perfeito", ele finalmente havia ganhado a aprovação de seu pai. Quando os pais de Gacy o visitaram em julho de 1966, seu pai se desculpou em particular pelo abuso físico e emocional que infligiu durante a infância e adolescência de seu filho e disse: "Filho, eu estava errado sobre você", enquanto apertava a mão de Gacy, esse foi um dos momentos mais felizes de sua vida.
Além disso Gacy estava indo muito bem com os Jaycees (Câmara Júnior dos Estados Unidos), que organizavam um treinamento de liderança e organização cívica para pessoas entre 18 e 40 anos. Ele até chegou a servir na diretoria do projeto. Realmente era uma ótima época para o futuro assassino em série, mas segundo fontes Gacy e outros Waterloo Jaycees estavam profundamente envolvidos na troca de esposas, prostituição, pornografia e uso de drogas.
Em 1967 foi quando tudo começou de verdade, Gacy abusou sexualmente de Donald Voorhees, de apenas 15 anos de idade, filho de um outro Jaycee. Gacy atraiu Voorhees para sua casa com a promessa de mostrar-lhe filmes pornográficos heterossexuais regularmente exibidos em eventos dos Jaycee. Gacy encheu Voorhees de álcool, permitiu que ele assistisse a um filme de despedida de solteiro e o persuadiu a praticar sexo oral mútuo, acrescentando "Você tem que fazer sexo com um homem antes de começar a fazer sexo com mulheres". Nos meses seguintes Gacy também abusou de vários outros jovens, incluindo um a quem ele encorajou a fazer sexo com sua própria esposa antes de chantageá-lo para fazer sexo oral nele. Gacy enganou vários adolescentes fazendo-os acreditar que ele foi contratado para conduzir experimentos homossexuais no interesse da pesquisa científica, e pagou a eles até US $ 50 cada.
Em março de 1968, Voorhees relatou a seu pai que Gacy o havia agredido sexualmente. Voorhees Sr. informou imediatamente a polícia, que prendeu Gacy e o acusou de realizar sodomia em Voorhees e tentativa de agressão em Edward Lynch, de apenas 16 anos. Gacy negou as acusações e exigiu fazer um teste do polígrafo, insistindo que elas eram sabotagem politica. Os resultados indicaram que Gacy estava nervoso quando negou qualquer irregularidade em relação aos dois jovens, mas seus companheiros políticos acreditaram em sua inocência.
Em 30 de agosto de 1968, Gacy convenceu um de seus funcionários, Russel Schroeder, de 18 anos, a agredir fisicamente Voorhees na tentativa de desencorajar o menino de testemunhar no tribunal contra ele. Gacy prometeu pagar $ 300 a Schroeder, que concordou e, no início de setembro, atraiu Voorhees a um parque rural isolado, borrifou spray de pimenta em seus olhos e o espancou, mas ele foi preso no dia seguinte e confessou tudo.
Com diversas evidências de culpa Gacy foi forçado a fazer um exame psiquiátrico, foram 17 dias para os médicos notarem que ele era antissocial (leia-se "termo clínico para sociopatia" na época) e que remédios não funcionariam nele.
Em 7 de novembro de 1968, Gacy confessou ser culpado de uma acusação de sodomia em relação a Voorhees, mas inocente das acusações relacionadas a outros jovens. Gacy afirmou que Voorhees se ofereceu a ele e que ele agiu por curiosidade. Sua história não foi acreditada. Gacy foi condenado por sodomia em 3 de dezembro e sentenciado a 10 anos de prisão, a ser cumprido na Penitenciária Estadual de Anamosa. No mesmo dia, sua esposa pediu o divórcio, solicitando que ela recebesse a casa e os bens do casal, a guarda exclusiva dos dois filhos e a pensão alimentícia. O Tribunal decidiu a favor dela, e o divórcio foi finalizado em 18 de setembro de 1969. Gacy nunca mais viu sua primeira esposa ou filhos novamente. Sua vida boa e perfeita tinha ido pro ralo.


Gacy, porém, estava em seu habitat natural na cadeia, mesmo sendo um pedófilo. Durante sua prisão na Penitenciária Estadual de Anamosa, ele rapidamente adquiriu a reputação de prisioneiro perfeito. Poucos meses depois de sua chegada ele já subiu à posição de cozinheiro-chefe. Ele também se juntou ao capítulo de Jaycee da cadeia e aumentou o número de membros de 50 para 650 em menos de 18 meses. Ele ficou conhecido por ter garantido um aumento no salário diário dos presos no refeitório da prisão e por ter supervisionado vários projetos para melhorar as condições dos presos na cadeia. Certa vez, Gacy até supervisionou a instalação de um campo de golfe em miniatura no pátio de recreação da prisão.
Em junho de 1969, Gacy teve sua liberdade condicional negada. Para se preparar para uma segunda audiência de liberdade condicional agendada em maio de 1970, Gacy completou 16 cursos do ensino médio, para os quais obteve seu diploma em novembro de 1969.
No dia de Natal de 1969, o pai de Gacy morreu de cirrose hepática. Ao receber a notícia o prisioneiro desabou no chão aos choros e soluços, mesmo assim seu pedido de licença compassiva supervisionada para comparecer ao funeral foi negado.
O cara era tão bom que ele saiu da cadeia após ter cumprido apenas 18 meses de sua sentença de 10 anos. Ao sair ele prometeu que iria se comportar e nunca mais voltar para uma cadeia, mas em 1971 ele foi novamente acusado de pedofilia, mas a vítima não quis testemunhar e o caso foi jogado pra escanteio.
Em 22 de junho, Gacy foi preso e acusado de agressão sexual agravada e conduta imprudente. A prisão foi em resposta a uma queixa apresentada por um jovem que alegou que Gacy tinha mostrado um distintivo de xerife, o atraiu para seu carro e o forçou a fazer sexo oral. Essas acusações foram retiradas depois que o reclamante tentou chantagear Gacy.
O pedófilo agora queria reconstruir sua imagem de cidadão exemplar, até porque seus crimes haviam sido selados após ele acabar de cumprir a sua liberdade condicional. Em agosto de 1971, logo depois que Gacy e sua mãe se mudaram para a casa dele, ele ficou noivo de Carole Hoff, uma divorciada com duas filhas com quem ele havia namorado brevemente no colégio. Eles se casaram em 1º de julho de 1972. Sua noiva e enteadas mudaram-se para sua casa logo depois que o casal anunciou seu noivado. A mãe de Gacy saiu de casa pouco antes do casamento. E ninguém sabia de seus terríveis crimes.
Em 1975, Gacy disse a sua esposa que ele era bissexual. Depois que o casal fez sexo no Dia das Mães daquele ano, ele a informou que esta seria "a última vez" que eles fariam sexo juntos. Ele começou a trabalhar até tarde, ou pelo menos era o que ele dizia a sua esposa, que notou vários adolescentes indo junto com seu marido no porão de sua casa, junto com pornografia gay e documentos, mas ele apenas dizia que não era assunto dela.
Após uma discussão acalorada quando ela falhou em balancear um talão de cheques corretamente em outubro de 1975, Carole Gacy pediu o divórcio a seu marido. Gacy concordou com o pedido de sua esposa, embora, por consentimento mútuo, Carole continuou a morar em 8213 West Summerdale até fevereiro de 1976, quando ela e suas filhas se mudaram para seu próprio apartamento. Um mês depois, em 2 de março, o divórcio foi finalizado, e sua "vida perfeita" ia para o ralo novamente.
Em 1971 ele abriu seu próprio negócio de reparos enquanto trabalhava como cozinheiro, ele trabalhava 16 horas por dia e fazia uma grana muito boa.

Mas cadê a parte que todo mundo conhece? Cadê o famoso Palhaço Assassino? Bom vamos falar disso agora. Através de sua associação com o chamado Moose Club, Gacy ficou sabendo de um clube de palhaços Jolly Joker, cujos membros se apresentavam regularmente em eventos de arrecadação de fundos e desfiles, além de entreter voluntariamente crianças hospitalizadas. No final de 1975, Gacy se juntou ao clube de palhaços e criou seus próprios personagens, eles eram "Pogo the Clown" e "Patches the Clown", criando sua própria maquiagem e figurinos. Ele descreveu Pogo como um "palhaço feliz", enquanto Patches era um personagem "mais sério". Gacy raramente ganhava dinheiro com suas performances e mais tarde disse que atuar como um palhaço lhe permitiu "regredir à infância". Ele atuou como Pogo e Patches em várias reuniões políticas, eventos de caridade e hospitais infantis. Ele até chegou a apertar a mão da primeira dama Roslynn Carter. Às vezes, Gacy permanecia em seu traje de palhaço após uma apresentação e bebia brevemente em um bar local antes de voltar para casa. 
Bom, mas agora, cadê os assassinatos? Até esse ponto Gacy era um estuprador serial e pedófilo, ele ainda chegou a estuprar mais garotos nos anos 70, alguns seus próprios funcionários como Anthony Antonucci de 15 anos, e mais alguns cujos nomes não foram ditos pela mídia por vários motivos. Mesmo assim o palhaço ainda não havia matado ninguém, isso porém iria mudar.
O primeiro assassinato conhecido de Gacy ocorreu em 3 de janeiro de 1972. De acordo com o relato posterior do próprio assassino, após uma festa de família na noite de 2 de janeiro, ele decidiu dirigir até o Centro Cívico em Loop para ver uma exposição de esculturas de gelo nas primeiras horas da manhã seguinte. Ele então atraiu um garoto de 16 anos chamado Timothy Jack McCoy do Terminal Rodoviário Greyhound de Chicago para dentro de seu carro. McCoy estava viajando de Michigan para Omaha, Nebraska. Gacy levou McCoy em um passeio turístico por Chicago e depois o levou para sua casa com a promessa de que ele poderia passar a noite e ser levado de volta para a estação a tempo de pegar o ônibus. Gacy afirmou que acordou cedo na manhã seguinte para encontrar McCoy de pé na porta de seu quarto com uma faca de cozinha na mão. Ele então pulou da cama e McCoy ergueu os dois braços em um gesto de rendição, inclinando uma faca para cima e acidentalmente cortando o antebraço de Gacy, que torceu a faca do pulso de McCoy, bateu sua cabeça contra a parede do quarto, chutou-o contra seu guarda-roupa e caminhou em direção a ele. McCoy então chutou Gacy no estômago. Gacy então agarrou McCoy, gritando, "Filho da p#ta! Eu vou te matar!" Ele então lutou contra McCoy no chão e o esfaqueou repetidamente no peito.
Enquanto McCoy estava morrendo, Gacy afirmou que lavou a faca em seu banheiro, depois foi para a cozinha e viu uma caixa aberta de ovos e um pedaço de bacon cru na mesa da cozinha. McCoy também havia colocado a mesa para dois, ele entrou no quarto de Gacy para acordá-lo enquanto carregava a faca de cozinha na mão e nunca teve a intenção de machucar Gacy. O agora assassino enterrou McCoy em baixo de sua casa e mais tarde cobriu seu túmulo com uma camada de concreto. Em uma entrevista vários anos após sua prisão, Gacy disse que imediatamente após matar McCoy, ele se sentiu "totalmente drenado", mas notou que enquanto apunhalava McCoy e ouvia os "gurgulações" teve um orgasmo mental.
Gacy agora achava que melhor do que o estupro era a morte e começou a caçar mais vítimas, Gacy disse que a segunda vez que ele cometeu assassinato foi por volta de janeiro de 1974. Esta vítima permanece não identificada até hoje. Gacy o estrangulou e, em seguida, colocou o corpo em seu armário antes do enterro. Posteriormente, ele afirmou que fluidos corporais vazaram da boca e do nariz da vítima, manchando seu tapete. Como resultado, Gacy regularmente colocava trapos de pano, a própria roupa íntima da vítima ou uma meia na boca das vítimas para evitar que esse vazamento se repetisse.
Em 31 de julho de 1975, John Butkovich, um funcionário do PDM de 18 anos de Lombard, desapareceu. O carro de Butkovich foi encontrado estacionado perto da esquina da Sheridan e Lawrence com sua jaqueta e carteira dentro e as chaves ainda na ignição. Um dia antes de seu desaparecimento, Butkovich confrontou Gacy com o pagamento atrasado de duas semanas. O pai de Butkovich, um imigrante iugoslavo. ligou pra Gacy, que disse que ficou feliz em ajudar na busca por seu filho, mas lamentou que Butkovich tenha "fugido". Quando questionado pela polícia, Gacy disse que Butkovich e dois amigos chegaram em sua casa exigindo o pagamento em atraso, mas eles chegaram a um acordo e os três foram embora. Nos três anos seguintes, os pais de Butkovich ligaram para a polícia mais de 100 vezes, pedindo que eles investigassem Gacy mais a fundo.
Por vários anos Gacy continuou a matar adolescentes masculinos em sua casa, seus vizinhos reclamaram várias vezes de barulhos, gritos e do fedor dos corpos, mas a polícia não fazia nada, já que Gacy era um membro exemplar da comunidade com contatos políticos.
De 1976 até 1978 foram várias vítimas, para piorar Gacy costumava matar e torturar algumas alternando entre sua própria personalidade e a de Pogo, seu alter-ego palhaço. Acredita-se que no total ele tinha matado mais de 30 nessa época.
Depois do desaparecimento de Robert Piest a polícia finalmente ficou no traço de Gacy, que testemunhas tinham dito que provavelmente teve interações com a vítima. O tenente Joseph Kozenczak, cujo filho estudou na Maine West High School como Piest, escolheu investigar Gacy mais a fundo. Depois de falar com a mãe de Piest na manhã de 12 de dezembro, Kozenczak se convenceu de que seu filho não havia fugido de casa. Uma verificação de rotina dos antecedentes criminais de Gacy revelou que ele tinha uma acusação de agressão pendente contra ele em Chicago e tinha cumprido uma pena de prisão em Iowa pela sodomia de um menino de 15 anos. Depois de falar com Gacy, que, claro, não admitiu nada, a polícia de Des Plaines obteve um mandado de busca em 13 de dezembro. Esta busca revelou vários itens suspeitos na casa do assassino, incluindo vários crachás da polícia, uma pistola Brevettata de 6 mm dentro de uma gaveta do escritório e uma seringa e agulha hipodérmica dentro de um armário no banheiro de Gacy. Os investigadores também encontraram algemas, livros sobre homossexualidade e pederastia, sete filmes pornográficos, cápsulas de nitrito de amila e um vibrador de 18 polegadas (46 cm) no quarto de Gacy. No dormitório a noroeste, foi encontrado um modelo dois por quatro de 39 polegadas (99 cm) com dois orifícios em cada extremidade, garrafas de Valium e atropina e várias carteiras de habilitação, além de cordas. Um capuz azul foi encontrada em cima de uma caixa de ferramentas dentro da lavanderia, e roupas íntimas muito pequenas para Gacy estavam localizadas dentro de um armário de banheiro. 


A policia, claro, resolveu investigar mais a fundo e observou todos os movimentos de Gacy, que convidava os investigadores para jantar com ele e conversar. Gacy convidou os detetives Albrecht e Hachmeister para uma refeição em um restaurante. Na madrugada do dia 18 de dezembro, ele os convidou para outro restaurante onde, no café da manhã, falou sobre seus negócios, seus casamentos e suas atividades como palhaço registrado. Em um ponto durante a conversa, Gacy ainda disse: "Você sabe... palhaços podem escapar impunes de assassinato."
Em 18 de dezembro, Gacy estava começando a mostrar sinais de tensão devido à vigilância constante: ele estava com a barba por fazer, parecia cansado, parecia ansioso e bebia muito. Naquela tarde, ele dirigiu até o escritório de seu advogado para preparar uma ação civil de US $ 750.000 contra a polícia de Des Plaines, exigindo que parassem de vigiar ele, mas nada feito, novas evidências estavam aparecendo e Gacy parecia cada vez mais culpado.
Na noite de 20 de dezembro, Gacy dirigiu até o escritório de seu advogado em Park Ridge para participar de uma reunião agendada, aparentemente para discutir o andamento de seu processo civil. Em sua chegada, Gacy parecia desgrenhado e imediatamente pediu uma bebida alcoólica, ao que Sam Amirante foi buscar uma garrafa de uísque em seu carro. Em seu retorno, Amirante perguntou a Gacy o que ele tinha para discutir com eles. Gacy pegou um exemplar do Daily Herald na mesa de Amirante, apontou para um artigo de primeira página cobrindo o desaparecimento de Robert Piest e disse: "Este menino está morto. Ele está morto. Ele está em um rio."
Gacy então começou a dar uma confissão divagante que começou nas primeiras horas da manhã seguinte. Ele começou informando Amirante e Stevens que tinha "sido o juiz... júri e executor de muitas, muitas pessoas", e que agora queria ser o mesmo por si mesmo. Ele disse que enterrou a maioria de suas vítimas em seu espaço abaixo de sua casa e descartou cinco outros corpos no rio Des Plaines. Gacy classificou suas vítimas como "prostitutos", "traficantes" e "mentirosos" a quem deu "o truque da corda", acrescentando que às vezes acordava para encontrar "crianças mortas e estranguladas" em seu chão, com as mãos algemadas nas costas. Ele havia enterrado seus corpos em sua casa, pois acreditava que eles eram sua propriedade.
Bom, esse era o fim do palhaço, ele admitiu depois ter matado mais de 30 (números oficias dizem 33). Depois de mais uma investigação a polícia achou os corpos, Gacy foi preso, confessou mais crimes e mostrou mais lugares onde havia jogado corpos.
Gacy foi levado a julgamento em 6 de fevereiro de 1980 onde foi rapidamente sentenciado a morte. Na época sua condenação por 33 assassinatos foi a maior pela qual qualquer pessoa nos E.U.A havia sido condenada.
Depois de sua prisão, Gacy leu vários livros jurídicos e entrou com numerosas moções e recursos, embora não tenha prevalecido em nenhum deles.
O palhaço assassino foi executado via injeção letal na manhã de 9 de maio de 1994. Antes da execução, os produtos químicos usados ​​para efetuar a execução solidificaram inesperadamente, obstruindo o tubo IV usado para administrar os produtos químicos no braço de Gacy, complicando o procedimento. Cortinas cobrindo a janela através da qual as testemunhas observaram a execução foram puxadas. A equipe de execução substituiu o tubo entupido. Após dez minutos, as cortinas foram reabertas e a execução recomeçada. Todo o procedimento durou 18 minutos.
Bom esse foi o fim do palhação, que veio a se tornar um dos mais temidos serial killers dos E.U.A e ajudou a espalhar o mito de palhaços serem assassinos impiedosos. Mas lembrem-se que isso tudo foi um grande resumo e infelizmente (ou felizmente) muita coisa teve de ficar de fora.

Bom é isso, se você chegou até aqui te convido a conhecer nossa página oficial e ler mais matérias incríveis como essa, nós temos um pouco de tudo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário