segunda-feira, 21 de dezembro de 2020

Curiosidades do mundo dos games que você não vai se arrepender de ler #3

Vídeo-games estão mais populares hoje em dia do que nunca, e existem muitas histórias curiosas sobre eles e como eles foram feitos, mas se você não é um gamer da vida não se preocupe, a matéria foi escrita de uma maneira que até quem não entende nada de jogos possa apreciar.
Veja agora mais algumas curiosidades dos mundos dos games que você não vai se arrepender de ler.

Megaman é um dos maiores títulos já lançados para consoles, mas ele estava longe de ser original, tudo nele era basicamente uma cópia do popular Astro Boy.
Ambos falam sobre um mundo futurista onde um cientista cria uma criança robótica que acaba defendendo o mundo de outros robôs. Na verdade a Capcom tinha permissão para fazer um jogo do Astro Boy, mas eles perderam a chance e tiveram de fazer sua "própria versão" do personagem.

Ao lado de Mario Bros e Sonic, Crash Bandicoot é um dos mascotes mais famosos do mundo dos games, mas as coisas podiam ser diferentes. Antes de se chamar Crash Bandicoot o personagem se chamava Willie the Wombat, e sua aparência também era diferente, ela era inspirada em desenhos antigos como os da Hanna Barbera.

E o único motivo do personagem ter luvas é que na época de sua criação os gráficos eram tão ruins que as pessoas não conseguiriam ver suas mãos na frente do seu corpo se elas não fossem de cores diferentes.

E ainda falando no marsupial, em seu primeiro jogo só cabiam no total 900 polígonos na tela, no segundo cabiam 1,200 e no terceiro 1,350. 
Para se ter uma ideia, apenas a cabeça de Nathan Drake em Uncharted 4: A Thief's End, tem cerca de 30.000 polígonos.

Já se perguntou por que o segundo jogo do Mario é tão diferente do primeiro? É porque ele não era um jogo do Mario! 
O jogo lançado no Japão como Super Mario Bros. 2 não é a sequência que conhecemos, ele tinha um conjunto de novos níveis super-difíceis mas construídos com o motor e os gráficos do jogo original. Mas esse título não foi lançado fora do Japão, em vez disso, a Nintendo usou o jogo Doki Doki Panic, e apenas trocou os personagens do jogo pelo elenco de Mario.
Aparentemente o motivo pra isso é que a Nintendo não achou que americanos fossem conseguir jogar a versão original, então eles optaram por lançar algo mais fácil no exterior e lançar o original apenas no Japão.

E essa não foi a primeira vez que Mario copiou alguém, na verdade seu primeiro jogo é uma "nova versão", por assim dizer, de Ice Climbers, outro game feito por Kazuaki Morita. A fórmula de ambos os jogos era basicamente a mesma.

A franquia de jogos Call of Duty é mais valiosa do que Avatar e Titanic combinados, eles já tiveram um lucro de cerca de 9 bilhões de dólares com a marca. Isso é devido ao alto número de sequências e derivados lançados.

Red Dead Redemption foi um dos jogos mais aclamados de sua geração, mas ele não vendeu tanto assim no começo, porém quando sua sequência foi anunciada ela foi um estouro. Para se ter uma ideia em apenas 12 dias a sequência vendeu mais cópias do que o original tinha vendido em 8 anos. Foram 17 milhões de cópias em duas semanas contra 15 milhões de cópias em 8 anos.

Antes do Sonic existir tudo que existia era uma bola e um tubo. O programador Yuji Naka estava testando protótipos para um novo jogo, e um deles era apenas uma bola rolando por dentro de um tubo. Esse algorítimo simples serviu de base para o primeiro jogo do ouriço azul.

Já se perguntou como o jogo Kingdom Hearts foi criado? De acordo com o produtor do game, Shinji Hashimoto, ele teve a ideia de um jogo crossover da Disney com a Squaresoft enquanto conversava com um executivo da Disney em um elevador. 
As duas empresas na verdade dividiram um prédio em Tóquio antes da Squaresoft se tornar a Square Enix.

Você já reparou como jogos antigos podem ser muito mais difíceis que os atuais? A explicação pra isso porém é simples, esses jogos antigos foram feitos para você perder!
Acontece que os primeiros jogos para consoles eram apenas "novas" versões dos jogos de arcades, e nos arcades o objetivo era fazer o jogador perder para que ele gastasse mais moedas e fichas na máquina e tentasse de novo, criando um ciclo vicioso.
Quando esses games vieram para os consoles a dificuldade não foi abaixada, resultando em jogos ultra-difíceis por nenhum motivo, já que dinheiro não era mais necessário para jogar depois que você comprasse o cartucho.

Hoje em dia se você olhar para Death Race você não deve ver nada demais, mas na época em que ele foi lançado o jogo foi super controverso, ele na verdade foi o primeiro game que permitia que você matasse humanos, algo normal hoje em dia mas que na época ira impensável.
Na verdade os "humanos" eram chamados de gremlins, mas quando você atropelava eles aparecia uma cruz no chão, o que fez com que as pessoas pensassem que eles eram humanos e não monstros. Esse foi provavelmente o primeiro escândalo relacionado a videogames do mundo.

Custer’s Revenge foi outro jogo polêmico em seus dias de glória, normalmente em jogos você é o herói, e em Custer esse parecia ser o caso, você era um cowboy que desviava de flechas dos nativos para resgatar uma índia.
No fim do jogo porém você percebe que estava controlando o vilão o tempo todo, os nativos estavam tentando proteger a moça, e quando o jogador finalmente alcança ela Custer começa a estuprar a nativa.


Por outro lado nós temos Bubble Bobble, um jogo produzido pela Taito em 1986 para Arcade e mais tarde convertido para computadores e consoles. Esse foi um dos primeiros games que mostrou que jogos fazem bem ao cérebro.
Na época educadores elogiaram a capacidade do jogo de ajudar as crianças a superar os desafios do desenvolvimento com seu foco na resolução de problemas, estratégia e habilidades motoras.

Por anos fãs de Kid Icarus e Metroid vem debatendo para saber qual jogo copiou qual, já que ambos são bem parecidos na jogabilidade, mas hoje sabe-se que não houve plágio nenhum, o que aconteceu foi que ambos foram desenvolvidos pela mesma equipe, incluindo o mesmo diretor Satoru Okada, mesmo co-diretor e artista Yoshio Sakamoto e até o mesmo compositor Hip Tanaka.

No game StarTropics, para avançar na história os jogadores eram solicitados a inserir um código que foi anexado a uma carta. No entanto, a carta não existia dentro do jogo, ela foi fisicamente incluída na caixa em que o jogo era vendido.
Isso obviamente causou muitos problemas, pois os jogadores poderiam facilmente perdê-la, rasga-la, joga-la fora ou apenas alugar um game que não vinha com uma cópia e ficar preso para sempre no mesmo estágio, então a Nintendo teve que reimprimir o código na Revista Nintendo Power para tentar ajudar os jogadores confusos.

Essa aqui os fãs já conhecem, mas muita gente não se tocou até hoje. No jogo Castlevania seu objetivo era matar Drácula, e eles podiam controlar e jogar com o filho de Drácula, Alucard. Pra quem não notou ainda, Alucard é apenas Drácula de trás pra frente.

A série Arkham do Batman tem a honra de serem os jogos de herói mais aclamados de todos os tempo, e eles merecem. Acredite ou não, no primeiro jogo a equipe de produção passou incríveis 2 anos trabalhando apenas na capa do Batman! Foram 700 animações diferentes só pra ela, cada grupo com seus próprios efeitos sonoros.

Kratos se tornou um dos maiores ícones do mundo dos games, e muitos acham que ele é um personagem totalmente fictício. A verdade, no entanto, é que Kratos na verdade recebe o nome de Cratus (ou Kratos), o deus grego da força, vigor e poder. 

E outro fato interessante do personagem é que ele deveria ser azul e não vermelho. De acordo com o criador do jogo, David Jaffe, foi apenas alguns dias antes do lançamento de God of War que a cor mudou para vermelho.
Qual foi o motivo dessa mudança? Bom, os criadores do jogo temiam que Kratos se parecesse muito com o Bárbaro de Diablo II, um personagem que também usa tinta azul, e que eles teriam problemas legais se o deixassem com aquela aparência.

Cyberpunk 2077 era a maior e mais esperada aposta do ano, mas o jogo acabou saindo cheio de bugs, o que levou a várias criticas de seus fãs. Mas o problema não foram apenas bugs, o jogo acabou não cumprindo várias promessas que foram feitas durante seus 7 anos de desenvolvimento. Os fãs já encontraram mais de 20 "promessas falsas" que a desenvolvedora CD Projeckt Red fez em entrevistas e que não estão no jogo final. Elas vão desde "rotinas diárias de NPC's" até "decisões do personagem vão afetar o mundo ao seu redor".

E por hoje é só pessoal, não deixem de curtir o nosso facebook em Real World Fatos para ler mais matérias interessantes como essa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário