segunda-feira, 30 de novembro de 2020

Conheça os jogos mais estranhos já criados

Vídeo-games não são para todos, isso é um fato, mas ninguém pode negar que eles tem uma grande variedade de temas, de jogos simples como Mario, até games de ação como Halo, e tudo que existe entre eles. Mas parece que alguns programadores estavam determinados a fazerem jogos que de tão bizarros não agradaram quase ninguém. Confira uma lista deles agora.

Icarus Proudbottom conta a história de um jovem que é amaldiçoado a defecar constantemente, e ele faz isso em um ritmo tão rápido que suas fezes o lançam até o espaço. Ao longo do caminho, ele conhece uma coruja, que se torna seu animal e também sua arma espiritual, e luta contra inúmeros inimigos, incluindo, por algum motivo, o ex-presidente Barack Obama. E acredite ou não ele acabou ganhando sequências.

LSD: Dream Emulator é basicamente um jogo que simula um sonho, o game não tem nenhum objetivo, o jogador apenas anda por aí vendo imagens super-coloridas, como se estivesse "viajando" depois de usar LSD. O interessante é que cada vez que você joga a experiencia é única, assim como quando você usa drogas na vida real.
O jogo todo foi baseado nos sonhos de Hiroko Nishikawa, que manteve um diário deles por mais de uma década. Segundo o artista do game, Osamu Sato, o objetivo não era fazer um jogo, mas sim "arte contemporânea".

Seaman era basicamente um bichinho virtual, só que o bichinho em questão é um peixe com rosto humano. O jogo também não vem com um tutorial, você tem de descobrir sozinho como cuidar da sua pequena aberração da natureza. Eventualmente mais peixes aparecem e eles começam a acasalar, só que seus filhotes são criaturas parecidas com sapos e não peixes. Para ficar ainda mais estranho o game é narrado por Leonard Nimoy, o famoso Spock de Jornada nas Estrelas.

Who’s Your Daddy era pra ser um simulador de paternidade, o game foi feito com doações, que acumularam um valor total de $1,500 dólares, mas no fim ele virou uma bizarrice sem igual. Um jogador controla o pai, enquanto o outro controla a criança, o objetivo de quem controla o bebê é tentar cometer suicídio, enquanto quem joga com o pai tem de tentar impedir isso. Sem contar que o design do bebê em si já é bizarro o suficiente.

Toilet Kids é um jogo que começa com uma criança acordando no meio da noite para usar o banheiro, mas enquanto ele está sentada na privada seu pior pesadelo se torna realidade, ele cai na privada e vai parar em outro mundo. O garoto começa a voar em algum tipo de banheiro em forma de pato atirando em objetos relacionados a cocô. Ele deve lutar contra ataques de macacos, aranhas, moscas e outros animais que ficam atirando cocô em seu caminho.

Em Muscle March você faz parte de um grupo de sete fisiculturistas, cinco homens, uma mulher e, por algum motivo, um urso polar, e todos eles perseguem ladrões que roubaram sua proteína em pó.

Sensible Train-Spotting não tinha uma ideia tão louca, ele só veio fora de época. 
Para quem não sabe "trainspotting" é um hobby onde uma pessoa observa trens e anota seus números de identificação, ele era muito comum... na época da Segunda Guerra Mundial, por isso quando o jogo, cujo conceito era ver trens digitais passando pela tela enquanto você anota seus números, foi lançado quase 50 anos após a guerra, vamos dizer que ele não teve muitos fãs.

Michael Jackson’s Moonwalker tinha um conceito bem estranho, no jogo o cantor e dançarino precisa resgatar crianças que foram sequestradas pelo Sr. Big. Ele usa Bubbles, seu chimpanzé, e o poder de sua dança para derrubar os bandidos. Mas as coisas ficam ainda piores, para recuperar sua energia Michael tem de tocar nas criancinhas, realmente bizarro.

Boong Ga Boong Ga é um jogo estilo arcade cujo único objetivo era punir personagens batendo na bunda deles. Para ficar mais estranho você pode punir oito personagens diferentes, incluindo sua ex-namorada, um gangster, uma interesseira, um molestador de crianças, seu ex-namorado, sua sogra, uma prostituta e um vigarista. E para ficar ainda mais estranho você também pode apenas enfiar seus dedos na bunda deles como punição, ao invés de dar palmadas.

Battle Raper é um jogo sobre lutas e estupro, as personagens femininas podem perder a roupa à medida que sofrem danos e movimentos especiais incluem ataques sexualmente explícitos. Para piorar você tem a opção de basicamente estuprar quatro das personagens se quiser.
O jogo obviamente foi polêmico, e resultou em um sistema etário para jogos, a EOCS, mesmo assim ele ganhou uma sequência, que retirou as cenas de estupro do gameplay, substituindo elas por cenas de sexo consideradas mais "normais".


Similarmente nós temos o jogo Thrill Kill, nele vários jogadores podiam lutar e se estuprar simultaneamente. Para ficar ainda mais bizarro o game também tinha cenas de canibalismo, tudo isso rodeado por uma temática BDSM. 
Por motivos óbvios o jogo recebeu uma classificação de "Apenas Para Adultos", o que fez com que seus produtores decidissem não lançar ele no mercado, mesmo assim versões piratas vazaram e estão sendo jogadas até hoje.

Criado por um desenvolvedor independente, Rape Day é um jogo de apocalipse zumbi, onde o jogador controla um protagonista descrito como um "estuprador ameaçador e serial killer". No fim o game acabou sendo removido da Steam devido as várias polêmicas envolvendo ele.

Hoje considerado um clássico das bizarrices Custer's Revenge foi um dos primeiros jogos a retratar estupro. No game você controla um cowboy que passa de fases ao matar nativos americanos para resgatar uma mulher. Mas no final do jogo você descobre que os nativos estavam na verdade protegendo a mulher, e que o cowboy general de guerra queria estuprar ela.

Akiba’s Trip: Undead & Undressed tinha uma jogabilidade simples, você derrota os inimigos ao tirar a roupa deles, mas por "acidente" você também pode retirar a roupa de um inocente. Outro ponto polêmico era o fato dos personagens poderem se travestir com roupas do outro sexo.

Danganronpa é o tipo de jogo que te faz perguntar "quem teve essa ideia?". De uma maneira simples o objetivo do jogo é assassinar um de seus colegas de classe e não ser pego por seu crime. Depois de um julgamento o "culpado" é executado sem cerimônias.

Punch Line é um jogo sobre um fantasma chamado Yuuta Iridatsu, que fica muito excitado sempre que vê a calcinha de uma mulher. Essa excitação toda de alguma maneira lhe dá superpoderes, no entanto, se ele olhar para a calcinha pela segunda vez e por muito tempo, seu nível de excitação é levado ao limite e um meteorito destrói o planeta.

Essa aventura russa é simplesmente insana, o jogo conta a história de um agente secreto que fica impotente depois de ser mordido por um pinguim e precisa salvar o mundo de um grupo maligno de satanistas, para isso ele conta com a ajuda de uma identidade falsa de ginecologista, uma galinha voadora e alguns peitos dançantes.

Ghetto Blaster era simplesmente racista, com uma temática nazista o jogo tinha suásticas, um retrato de Hitler, e, claro, caricaturas ofensivas de afro-americanos. Seu objetivo era destruir as peças com rostos de negros enquanto propagandas nazistas apareciam na tela.

E falando em racismo, Ethnic Cleansing é um game desenvolvido por uma organização chamada Resistence Records, o jogo foi banido em diversos países pois o seu objetivo é uma "limpeza étnica de raças", com o jogador cometendo assassinato de negros e latinos. 
O jogador pode escolher entre ser um nazista, um skinhead ou um klansman, no jogo você atravessa um gueto com o objetivo de assassinar pessoas negras e latinas antes de descer a um sistema de metrô para matar judeus. Na última fase o jogador chega ao "Jew Control Center" (Central de Controle Judeu), onde Ariel Sharon, o ex-ministro de Israel, está traçando "planos de dominação mundial". Seu objetivo daí em diante é matar Sharon para ganhar o jogo. No final o protagonista vira um herói mundial. 
Para piorar o jogo foi lançado próximo ao aniversário de Martin Luther King Jr.

Quer ver mais matérias interessantes como essa? Visite o nosso facebook aqui e deixe sua curtida agora mesmo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário