quarta-feira, 8 de abril de 2020

Como são os casamentos ao redor do mundo?

Você se lembra de ter visto a origem das tradições de casamentos? Pois naquela matéria nós mostramos como são os casamentos "básicos" de nosso país, mas cada lugar tem suas próprias regras e tradições na hora do matrimônio, e você vai conferir algumas delas agora. 
E se você se interessou pelo tema sugiro que leia também a matéria "Veja como os noivos se vestem redor do mundo", vai valer a pena.

Os casamentos americanos são basicamente iguais os do Brasil, o noivo se veste com um terno, a noiva de branco, eles trocam as alianças na frente de um membro da igreja, se beijam e saem casados de lá, nada demais não é mesmo?
Isso acontece porque a maioria desses costumes foram influenciados por países europeus, principalmente as antigas Grécia e Roma, por isso o casamento de muitos países são similares, isso inclui Brasil, Canadá, E.U.A, Inglaterra, Irlanda, Portugal, Espanha e vários outros, todos foram influenciados pelos mesmos costumes e por isso são parecidos até hoje.

Os mexicanos também tem casamentos similares aos nossos, mas com algumas pequenas diferenças, primeiro a noiva tem na verdade dois buquês, um é dela, o outro vai ser oferecido a Nossa Senhora de Guadalupe. O marido costuma dar 13 moedas chamadas de "arras" a sua futura esposa, simbolizando Jesus e seus 12 discípulos, e um rosário gigante chamado de "el lazo" é colocado em volta do pescoço dos noivos simbolizando a sua união.
Outra diferença é que por lá quem normalmente paga pelos casamentos são os padrinhos do noivo (embora muitos reclamem dessa tradição), que também são responsáveis pelo bolo, flores, vinho, cerimônia, vestido da noiva e até mesmo pelos travesseirinhos onde os convidados vão se ajoelhar.

Na tradição dos pigmeus as cerimônias não são longas, os casamentos geralmente são formalizados por uma simples troca de visitas entre as famílias envolvidas. O noivo normalmente leva um animal caçado ou flechas para seus novos sogros como um presente, ele então leva sua noiva para casa para morar com a família dele. 
Sua única obrigação mesmo é encontrar entre seus parentes uma mulher disposta a se casar com o irmão, primo ou outro parente próximo de sua esposa. Se ele sentir que pode alimentar mais de uma esposa, ele pode ter esposas adicionais, mas isso é raro.

No casamento celta as mãos dos noivos são amarradas juntas, numa tradição chamada de "handfasting" (atar as mãos), simbolizando a união do casal. É provavelmente daí que o termo "amarrar o nó" se originou.
As noivas não podem colocar seu próprio véu, isso daria má sorte, ele tem de ser colocado por uma mulher felizmente casada. Para eles um tempo ruim simboliza boa sorte e colocar uma ferradura de cavalo no buquê traz ainda mais sorte, ás vezes a ferradura é até mesmo costurada no próprio vestido da noiva. 

Na Finlândia uma tradição é que a futura noiva vá de porta em porta com uma fronha, para receber presentes de casamento. Muitas vezes um homem mais velho e felizmente casado a acompanha, segurando um guarda-chuva ou guarda-sol sobre a cabeça da mulher para protegê-la. Isso simboliza a futura proteção e abrigo da noiva. 
No dia do casamento, a noiva pode usar uma coroa de ouro ou flores na cabeça. Na recepção do casamento, é realizada a Dança da Coroa, onde as damas de honra vendam a noiva e dançam ao seu redor, a noiva então coloca a coroa na cabeça de uma das damas de honra, que segundo a tradição será a próxima a se casar. 
Tradicionalmente os noivos sentam-se um ao lado do outro em "lugares de honra" designados na recepção do casamento. A noiva segura no colo uma peneira coberta por um xale, na qual presentes monetários são colocados pelos convidados. 
Em alguns casamentos, a sogra ou madrinha da noiva colocará um prato de porcelana na cabeça da noiva, então os noivos realizarão a primeira dança (geralmente uma valsa), quando o prato cai e quebra, os convidados coletam as peças. O número de peças seriam um jeito de adivinhar quantos filhos o casal terá.


Na Escócia existe a tradição de "blackening" ou "escurecimento", nela a noiva e o noivo são cobertos da cabeça aos pés em todas as substâncias que seus amigos encontrarem, como por exemplo: leite coalhado, ovos podres, molhos de peixe, lama, farinha, salsichas e tudo que você pode imaginar. Como se isso não bastasse, o casal é então "desfilado", com os convidados fazendo o máximo de barulho possível. Dependendo da região, às vezes é apenas a noiva ou o noivo que é vítima dessa tradição.
Além disso noivas costumam colocar uma moeda em seu sapato para atrair a boa sorte, e uma mulher mais velha e já casada costuma lavar e secar os pés da noiva antes do casamento, mas o noivo também pode fazer isso se ele quiser.


Casamentos chineses podem ser brutais, segundo a tradição local 30 dias antes do casamento, a noiva passa uma hora por dia chorando, dez dias depois, sua mãe se junta a ela e, em seguida, dez dias depois, sua avó. Isso tudo é uma expressão de alegria e profundo amor. Essa tradição é mais comum em Tujia, mas se espalhou para outros locais.
No país o vermelho é a cor preferida para casamentos, porque ele significa amor, alegria e prosperidade. O noivo busca a noiva na sua casa, mas antes ele tem de dar um envelope vermelho para as amigas dela com dinheiro ou outros presentes dentro. Uma vez na casa do noivo, os noivos se curvam primeiro ao céu e à terra em frente ao altar da família do noivo, depois aos pais do noivo e depois um ao outro. Ainda na casa do noivo o casal oferece chá aos mais velhos, incluindo os pais do noivo. A aceitação do chá pelo ancião indica que a família recebeu a noiva na família do noivo.


Na Malásia e Indonésia após o casamento os noivos não podem usar o banheiro por três dias inteiros e nem sair de casa. O casal é vigiado e é permitido quantidades mínimas de comida e bebida. Se o costume não for praticado, eles acreditam que trará má sorte ao casal, com consequências como um casamento desfeito, infidelidade ou até mesmo a morte de seus filhos. Após três dias, o casal pode voltar à vida normal e iniciar o casamento.
É costume o noivo dar um dote a sua noiva, chamado de "mas kahwin", para simbolizar o seu comprometimento com a união deles. E antes do casamento ocorre a noite de henna, onde a noiva e suas parentes e amigas se reúnem para decorar as mãos e os pés com tinta. O design da noiva é o mais complexo. Nas mãos, acredita-se que a hena repele espíritos malignos, nas unhas, faz com que ela pareça adorável, nas palmas das mãos, a protege, e nos pés, garante que ela não se afaste do noivo.
E se o noivo se atrasar para o casamento é costume ele ter de pagar uma "multa", normalmente em forma de jóias.


No Quênia, principalmente na tribo Massai, o costume é cuspir na noiva! Na cerimônia de casamento realizada pelo povo local, o pai da noiva abençoa a filha cuspindo na cabeça e nos seios dela. Ela então sai com o marido e não olha para trás por medo de se transformar em pedra.
As noivas e suas parentes é quem cozinham todo o banquete enquanto o noivo é quem paga o dote, quando o noivo chega na casa de seus sogros ele e seus parentes tem de cantar para entrar, e são recebidos pela noiva com mais músicas e danças. Também é costume que o noivo plante uma árvore para mostrar que aquela mulher agora é dele.


Na Suécia o costume envolve muitos beijos, mas não dos noivos, lá se o noivo sair do salão por qualquer motivo que seja, todos os outros homens no casamento poderão beijar a noiva. O mesmo vale para as convidadas e o noivo, se a noiva sair do local. Os beijos porém costumam ser no rosto.
A noiva normalmente tem uma moeda de prata no sapato esquerdo e uma moeda de ouro no sapato direito (ou talvez vice-versa), dada pelos pais dela. A tradição é que, com isso, ela nunca ficará sem dinheiro. E por costume a mulher ganha três anéis, um de noivado, um de casamento e um para quando o casal se tornarem pais. Quem costuma cortar o bolo são os próprios convidados. E a tradição mais bizarra é que se uma convidada usar um vestido vermelho isso significaria que ela já dormiu com o noivo.


Na França após a recepção o casal era enviado para a cama enquanto os convidados limpavam a bagunça. Eles então jogavam todos os restos de comida e bebida em um penico, iriam para o quarto do casal com o sanitário e não sairiam de lá até que o casal o bebesse. Hoje em dia a sopa é mais comumente feita de chocolate e champanhe, mas ainda é servida em um penico. O raciocínio por trás da tradição era dar ao casal "combustível" para fazer sexo. 
Franceses não costumam ter madrinhas e padrinhos, e todas as cerimônias civis acontecem na prefeitura e são oficializadas pelo prefeito local em uma sala aberta ao público (caso alguém queira protestar contra a união dos noivos). Todos os casais precisam ter um serviço público para se casarem legalmente antes de realizarem casamentos religiosos.


No Congo casamentos são coisa séria, o noivo não pode sorrir em nenhum momento para demonstrar seu comprometimento com a noiva, que muitas vezes também não sorri durante o dia, muito menos nas fotos do casamento.
Ambos os lados costumam pagar dotes, isso ajuda a aproximar as duas famílias. Os noivos não precisam começar a morar junto logo após o casamento, eles podem esperar um pouco se quiserem.


Na Coréia do Sul o noivo tem de ser torturado com falaka, um tipo de tortura que envolve bater nas solas dos pés dele com uma varinha ou até um peixe, durante a tortura os membros da família dele fazem perguntas ao torturado, isso tudo é pra ser engraçado e não envolve muita dor.
Um presente comum aos noivos são pequenos gansos de madeira, que simbolizam o amor eterno, já que esses animais só costumam ter um parceiro a vida toda. Os pais da noiva e do noivo têm o direito de convidar quem eles quiserem, geralmente resultando em uma contagem de convidados de até 500 pessoas, e pra piorar é tradição coreana que os noivos recebam cada convidado em seu dia especial. O noivo pode cumprimentar os convidados do casamento em uma área, enquanto a noiva tem seu próprio quarto especial para receber seus convidados. Fotos da noiva e de seus convidados também são tiradas antes da cerimônia.


Em casamentos tradicionais alemães os convidados chegam na noite anterior ao grande dia, geralmente na casa da noiva, e quebram qualquer objeto de porcelana que possam encontrar, essa é a tradição chamada "polterabend", esse ato deveria trazer boa sorte ao casal. No entanto, eles não podem quebrar nada de vidro, pois o vidro simboliza a felicidade. 
Depois que a porcelana é quebrada, o casal a limpa, o que deve ensinar a eles que a vida de casado não é fácil, mas trabalhando juntos, eles podem superar qualquer desafio. 
Um casamento civil deve sempre ser feito antes do casamento religioso por motivos legais, e na Alemanha o anel de noivado tradicional é geralmente uma pulseira de ouro usada na mão esquerda. Após o casamento, o mesmo anel é usado na mão direita da noiva. Os homens também usam a aliança na mão direita.


Na Etiópia o procedimento do casamento começa com o noivo enviando anciões, chamados de "shimagle", que solicitam uma união entre as famílias. Os anciãos discutem um dote e verificam se os noivos não são parentes, verificando sua linhagem no mínimo até sete gerações. 
Quando o noivo e seus amigos e parentes chegam, a família e os amigos da noiva bloqueiam cerimonialmente a entrada da casa. Os padrinhos precisam fazer uma serenata ou subornar o caminho para dentro da casa, para que o noivo possa levar a noiva com ele. Além disso, o padrinho segura um perfume e o usa em todos os lugares da casa da família da noiva. 
Para encerrar a cerimônia de casamento, os anciões ficam sentados na saída do local e a noiva e o noivo, juntamente com os convidados da festa de casamento, beijam os joelhos dos mais velhos ao sair.


Na Itália é costume o noivo cantar para a noiva, e os padrinhos podem zoar a vontade com ele, como por exemplo dizendo coisas como "talvez ela esqueceu onde fica a Igreja". A família do noivo paga o dote, e normalmente da a aliança pra ele, a família da noiva é quem faz a recepção do casamento.
Para eles a cor verde atrai boa sorte aos recém-casados, por isso pode usar ela a vontade, esse também é o motivo para casamentos serem realizados ao ar livre, perto da grama ou plantas. E quando o casamento acaba os convidados costumam dar envelopes para os noivos, contendo dinheiro. O casal retorna o favor dando lembrancinhas aos convidados.


E na Somália nós temos o "gelbis", uma celebração onde a noiva e o noivo são levados para as ruas, a cavalo ou em carros, com pessoas cantando e dançando com muito bom humor. 
O gelbis acontece normalmente à noite quando o casamento termina e antes da noiva e do noivo e sua família dançarem e comerem um com o outro. Leva pelo menos duas horas para ele terminar e para a noiva e o noivo serem levados para a casa do noivo.

Gostou da matéria? Então curta o nosso facebook em Real World Fatos, basta clicar e curtir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário