sábado, 4 de abril de 2020

11 séries para maratonar com louvor durante a quarentena

Afinal, com tanta opção boa, não dá para ficar no tédio, né? Essa lista (feita em parceria com a Hedgehog Digital) é para você não tirar os olhos da TV, da tela do computador ou até mesmo do celular. Selecionamos 11 séries para maratonar e estar a par de todos os assuntos com os amigos depois. Tem para todos os gostos: séries demoradas, outras nem tanto, engraçadas, dramáticas, atordoantes... Porque de quarentena a gente até fica, sem nossas amadas séries, não!

Fleabag

Phoebe Waller-Bridge é um fenômeno. Autora e protagonista da produção ganhadora de dois troféus no Emmy - nas categorias melhor série de comédia e melhor atriz de comédia - a atriz e roteirista de 34 anos conquistou um público abrangente com a comédia irreverente sobre o dia a dia de uma jovem londrina solteira. Os episódios são curtos: ou seja, dá para conferir as duas temporadas em um dia. Disponível na Amazon Prime.
Único porém da série: só tem duas temporadas!

Succession

A série dramática gira em torno da família Roy, composta por membros conflituosos donos de um império de mídia global e que lutam pelo controle da empresa em meio à incerteza da saúde de Logan Roy, o patriarca da família. Leva a assinatura do roteirista de Jesse Armstrong, que levou o prêmio de melhor série dramática no último Globo de Ouro. Disponível na HBO e no Now.

Pose

Renovada para uma terceira temporada (ainda inédita), a produção é celebrada por trazer o maior elenco transexual da história da TV. Vencedora do último Emmy na categoria melhor ator dramático (para Billy Porter) - e indicada ao troféu de melhor série dramática - a narrativa faz um retrato de parte da cena gay na Nova York dos anos 1980. 
O enfoque da trama é a “ball culture”, como se chamavam os animados bailes em que a comunidade LGBT desfilava figurinos com temas predeterminados. Temas como drogas, AIDS, famílias que não aceitam filhos transexuais e muita montação estão todos lá! Disponível na Netflifx.

La Casa de Papel

Sucesso de público, crítica e com um enredo eletrizante, La Casa de Papel tira um pouco o foco de produções hollywoodianas e nos leva diretamente à Espanha. Oito ladrões tomam de assalto a Casa da Moeda espanhola. Vestidos com macacões vermelhos e uma máscara do pintor espanhol Salvador Dalí, o grupo leva 67 reféns como parte de seu plano de imprimir e escapar com 2,4 bilhões de euros através de um túnel de fuga. Um membro do grupo, o Professor, encabeça o assalto de um local externo e flashbacks ao longo da série mostram os cinco meses de preparação em uma propriedade de caça abandonada no interior de Toledo. A ideia é que os assaltantes não compartilhem informações pessoais nem se envolvam em relacionamentos, trabalhando em equipe para que o assalto ocorra sem derramamento de sangue. Claro que a coisa vai desandando, principalmente quando uma inteligentíssima policial toma a frente nas investigações. Disponível na Netflix. 

This Is Us

Há um ritmo novelesco e melodramático na série sobre os altos e baixos de uma família incomum. E não, essa não é uma crítica. Capaz de comover até o mais durão dos caras, a série foi vencedora de três Emmys - no ano passado, a produção teve cinco indicações a categorias importantes da premiação, incluindo melhor série de drama - e tem uma narrativa que se constrói sem mocinhos ou vilões. Nas quatro temporadas atuais, sãos várias as situações da vida que movimentam os conflitos. Disponível na Amazon, na Fox Premium e no Now. 
Depois conta para gente seu momento preferido, e quanto você resistiu até agarrar um lencinho.

Game of Thrones

Alguém aí, nos últimos anos, conseguiu passar incólume por Game of Thrones? Imaginamos que não. Pois agora é uma boa hora para rever a série ou, se você estava esperando uma espécie de chamado, saiba que ele acontece agora.
Produção que mais acumulou indicações nas últimas premiações - e que venceu a principal categoria de melhor série dramática no Emmy - a saga inspirada no universo literário de George R. R. Martin é o maior sucesso recente da TV americana. A grosso modo, a história acompanha uma disputa de tronos num mundo imaginário, em período equivalente à Idade Média. Prepare-se: é preciso tempo para zerar os 73 episódios, cada um com cerca de 70 minutos. Mas vale cada minuto! Disponível na HBO e no Now.

Euphoria

O drama de adolescentes que tornou antigos todos os outros dramas adolescentes. Mais para ver do que para entender, reúne os clichês habituais (amores malditos, drogas, sexo, garoto popular com segredos, chantagens, adultos pouco confiáveis) e os torce (tem uma garota trans no casal principal, as drogas são vistas do ponto de vista de uma viciada em reabilitação) enquanto os envolve em uma estética de sonho, com um pouco de purpurina e olhares tristes. Dá para ver em uma maratona? Super! Uma temporada de oito episódios de 40 minutos. Disponível na HBO.

Chernobyl

A claustrofóbica encenação do pior acidente nuclear da história, da luz vermelha que acende quando algo começa a dar errado no núcleo do reator de uma central ucraniana às mentiras com as quais o Kremlin administrou o desastre e colocou em perigo vidas do planeta inteiro. É sóbria, seca como um areal e tem momentos absolutos de tragédia. É o melhor para uma quarentena provocada por uma pandemia? Talvez não. Mas é uma das coisas mais bem-feitas já produzidas para sua TV ou computador. Dá para ver em uma maratona? Se você se acostumar com o clima de tragédia, sim. Uma temporada de seis episódios de uma hora. Disponível na HBO.

O Método Kominsky

O Método Kominsky. Estrelada por Michael Douglas, de 75 anos, e Alan Arkin, de 85, aborda as aventuras e desventuras deste casal díspar enquanto aprendem a envelhecer. Entre a comédia e o drama, como a própria vida, esta ficção divertida e sensível é produto de Chuck Lorre, responsável por Two and a Half Man e The Big Bang Theory. Se você gostou destas séries vai adorar O Método Kominsky, embora tenha um tom e um estilo diferentes. Dá para ver em uma maratona? Sem problema. Duas temporadas, oito episódios cada, 30 minutos. Disponível na Netflix.

You

Um livreiro repara em uma cliente. Tanto que pode iniciar uma conversa com ela, que acaba gostando dele, e reparar mais em como lhe responde. Daí consegue suas redes sociais e continua o estudo. Pouco depois, consegue elaborar um disfarce de rapaz ideal, sob medida para aquela cliente. Por que precisa disso? Porque o que ela não sabe, mas nós sabemos, é que a verdadeira identidade do rapaz é a de um assassino. Com esse ponto de partida e um ritmo meio louco, esta série, muito mais inteligente do que aparenta, oferece uma reflexão sobre o narcisismo, os protótipos de herói masculino, as virtudes que atribuímos aos estranhos quando se parecem com outros e, claro, as redes sociais. Dá para ver em uma maratona? Meu Deus, sim. Duas temporadas de 10 episódios de 40 minutos. Disponível na Netflix

Da Terra à Lua

Vivemos dias históricos, mas aqueles em que a chegada do homem à Lua era um sonho prestes a se tornar realidade talvez tenham sido ainda mais marcantes - e, com certeza, felizes. Tom Hanks (sem coronavírus à vista) produziu e participou desta minissérie, uma das primeiras ficções da HBO, que viaja muito além do transportador da Apollo 11 e daquele Apollo 13 estrelado por Hanks para se meter em 12 episódios menos desconhecidos dos bastidores de cada uma das missões lunares. Uma lição de história muito divertida que conta em detalhes aquela proeza, do aspecto pessoal ao global. Porque sempre devemos ter esperança no ser humano, para dar aquele quentinho no coração que estamos precisando tanto. Visto com as crianças pode ficar ainda mais divertido. Disponível na HBO.

Com essas dicas o seu período em casa vai ser muito mais divertido. Se você estiver só ou em família dá para combinar as maratonas com comidinhas ou até mesmo um delicioso vinho. Aí fica melhor ainda. 
Aproveite para viver este momento e reencontrar os seus familiares, conversar, dialogar sobre o que está acontecendo e também se divertir. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário