terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

Os carros mais estranhos e mal-projetados que já foram lançados

Ter uma Lamborghini ou uma Ferrari é o sonho de muitos, mas pra cada carro que é uma "obra de arte" sobre rodas existem centenas que são pesadelos andantes. 
Confira agora os carros mais estranhos e mal-projetados que já foram lançados.

O Delta Wing era um carro de corrida que fugia do padrão, seu design era inspirado em um dardo, para alcançar uma maior velocidade. Além disso, segundo seus fabricantes, ele usava metade da gasolina e com metade da potencia do motor.
Era bom demais pra ser verdade, e era mesmo. O carro realmente economizava muita gasolina, mas ele nunca ganhou nenhuma corrida e foi descartado rapidamente.

Ainda falando sobre carros de corrida conheça agora o Tyrrel P34, um carro de 6 rodas. 
Por mais bizarro que ele fosse ele realmente ganhou sua corrida no Grand Prix. Mas seus problemas eram pior do que originalmente imaginados, trocar as 6 rodas custava muito tempo, elas se desgastavam mais rapidamente e seu freio era problemático. 
No fim ele foi descartado sem dó.



O designer William Stout, que trabalhou como engenheiro aeronáutico antes de fazer carros, foi o criador do Stout Scarab. 
A Stout Air Lines é creditada com a introdução de comissários de bordo e refeições a bordo. O Escaravelho (nome traduzido) baseia-se nessa ideia, ele era um carro gigante que deveria fazer as pessoas se sentirem na primeira classe de um avião. 
A marca porém nunca decolou, em parte porque por $ 5.000 (cerca de $ 90.000 hoje), o Escaravelho era mais caro do que os Cadillacs da época. No fim menos de dez foram produzidos.

Conheça agora o Oeuf electrique, o pequeno carro ganhou o nome de Ovo Elétrico por seu tamanho e por ser um dos primeiros carros elétricos do mundo. Ele foi criado em 1943 pelo parisiense Paul Arzens, que trabalhou como pintor e projetou locomotivas ferroviárias antes de seguir para os carros. 
A bolha era feita de alumínio moldado à mão e acrílico curvo, um material novo na época.

O Norman Timbs Special de 1947 era simplesmente gigante, ele foi inspirado em carros de corrida Indy da época, mas ele era feito para ser usado no dia-a-dia, uma combinação estranha que acabou não dando muito certo para a fabricante.

Acho que a inspiração pra esse carro era obvia. O General Motors Firebird 1 XP-21 foi feito em 1953, ele era um jato caça real, com quatro rodas, uma barbatana caudal e um cockpit de bolha. 
O motor da turbina girava em até 26.000 rpm para gerar uma potência enorme (pelo menos naquela época) de 370 cavalos de potência. Hoje em dia carros podem chegar aos 700 cavalos de potencia.

O Chrysler Streamline X "Gilda" de 1953 recebeu o nome de um filme de 1946 da Rita Hayworth. O carro deveria ser o mais veloz devido as suas barbatanas e curvas, mas não era bem assim.
Hoje em dia assim como muitos carros dessa lista ele é vendido em leilões como item de colecionador.

Essa Ferrari (sim, isso é uma Ferrari) foi feita pela empresa de design Pininfarina, que produziu obras mais famosas com o passar dos anos, mas o carro Ferrari 512 S Modulo, criado para o Salão de Genebra de 1970, não tinha como objetivo a beleza, ele era apenas "arte".

Este Stratos HF Zero Lancia 1970 tinha um conceito simplesmente ridículo, a grande diferença do carro é que ele era baixo. Com apenas 83 centímetros de altura, o carro conceito era tão baixo que os motoristas tiveram que entrar através do para-brisas do carango.

Mais um carro gigante, o Ford Speedster de 1932 veio ao mundo com um botão de partida, décadas antes de o recurso se tornar padrão na industria automotiva. 
O baixo e longo roadster foi a ideia do filho de Henry Ford, Edsel Ford, e do designer Eugene Gregorie.

Este Tasco foi feito em 1948 pela marca (de vida curta) chamada The American Sports Car Company, o nome do carro é um acrônimo do fabricante.
Gordon Buehrig, ex-Duesenberg, inspirou-se nos caças da Segunda Guerra Mundial para criar esse carrão.

O GM Le Sabre de 1951 foi o primeiro carro a ostentar aletas (ou flaps) e um para-brisa envolvente, elementos de design que se tornaram padrão nos carros americanos depois disso. 
Para completar o carro ainda vinha com um detector de umidade que elevaria automaticamente o teto do conversível se chovesse.

Veja aqueles dois cones pretos onde deveriam estar os faróis do Cadillac Cyclone de 1959, esses são os radares para o sistema de prevenção de acidentes do carro, uma tecnologia que você pode reconhecer como o controle de cruzeiro adaptável de hoje. 
Se o carro percebesse um objeto que se aproximava, ele acionaria uma série de luzes de advertência e um bipe agudo, e o carro poderia até mesmo aplicar automaticamente os freios. mesmo assim sua aparência bizarra não impulsionou muitas vendas.

O Fiat Multipla tinha um design...único, que não impressionou ninguém com sua "beleza". Essa minivan tinha lugar para uma família de 6, embora o carro tenha sido mal-recebido sua fabricante não tirou ele do mercado, apenas deu uma nova aparência ao carro.

O Isetta era um “carro-bolha” de design italiano que data do início dos anos 50. Quando a empresa Iso lançou o carro, ele tinha um pequeno motor que produzia apenas 9,5 cavalos de potência e uma única roda na traseira. 
Uma segunda roda foi posteriormente adicionada para evitar que o veículo tombasse. Sua característica definidora era a falta de portas laterais. O único banco era acessado abrindo a frente do carro. 
A BMW comprou todo o ferramental para construir o Isetta em 1955. Eles melhoraram o design e acabaram vendendo mais de 161.000 unidades. 
Mas o visual peculiar da Isetta está prestes a voltar. A montadora chinesa Eagle mostrou uma imitação de bateria elétrica do icônico design Isetta, mas com quatro portas tradicionais. Tem ainda menos potência do que o original, com seus motores elétricos produzindo apenas 5 cavalos de potência.

O Sunraycer GM de 1987 foi construído para correr pelo meio da Austrália usando apenas o poder do sol. Usando uma matriz de 7.200 células solares para capturar energia e impulsionar o carro a até 96 Km/h, o Sunraycer ganhou a corrida de 1.950 milhas em mais de dois dias. Ele passou a definir vários recordes de velocidade movidos a energia solar nos campos de provas da GM no Arizona. O carro está agora em exposição em Washington D.C., no Museu de História Americana do Smithsonian Institution.

O Peel P50 era essa coisinha que você vê acima, com 137 cm de comprimento e 104 de largura ele era realmente uma miniatura. 
Apenas 50 foram construídos, com 27 dos originais ainda por aí em algum lugar. Em 2010, a empresa britânica começou a construir versões atualizadas com motores elétricos. 
O minúsculo carro tem “assento para um mais uma sacola de compras”, um farol, um limpador e uma porta. Um original Peel P50 vendido em leilão na Flórida por US $ 176.000 em 2016.


Esse Nissan S-Cargo foi feito especialmente para o Japão em 1989, mas sua aparência não foi muito bem recebida. Seu nome era um trocadilho entre Small Cargo (Carga Pequena) e Escargot (lesma).


O Sebring-Vanguard CitiCar de 1974 era um carrinho elétrico feito para ser usado nas cidades durante o dia-a-dia, ele foi inspirado em carrinhos de golf, e o fato dele ser elétrico era devido a crise de combustível de 1970, como você deve ter imaginado ele não foi um grande sucesso.


O Bond Bug era um pequeno carro esportivo britânico de dois lugares e três rodas, construído de 1970 a 1974. É um microcarro na verdade.
O grande problema é que ele custava tão caro quanto um carro "normal" então não valia a pena.


Lamborghini Véneno, você provavelmente não esperava que esse carrão estivesse nessa lista não é? Mas esse carro super exclusivo foi chamado de "o carro mais feio do mundo" e a "pior coisa a sair da Itália desde o fascismo".
Apenas 3 desses carros foram feitos, mas críticos disseram que era "3 a mais do que o necessário". O problema é que o carro tinha vários problemas mas não acrescentava nada novo, e ainda era caro demais.

Se você curtiu essa matéria venha curtir também o nosso facebook em Real World Fatos

Nenhum comentário:

Postar um comentário